Aprendi com (E)les| Histórias reais sobre MILAGRE

o-valor-da-oracao-fe-em-jesus

Há uns dias lancei o projeto Aprendi com (E)les aqui no blog. Para quem não viu clique aqui. O projeto nasceu com o intuito de divulgar histórias pessoais e reais e o agir de Deus em cada um delas, com o propósito de nos trazer lições de vida e constante aprendizado.

O primeiro tema lançado foi: MILAGRE. E é sobre isso que iremos falar neste post. Acompanhe abaixo as histórias que recebemos… Algumas são compridas, mas eu garanto que vale a pena ler até o final.

Irina:
Nunca estudei inglês. Nunca, nem em casa, de forma autodidata. Contudo, falo inglês desde sempre. Um dia (eu mãe solteira, com quase 30 anos) orei a Deus e pedi ajuda, pois era muito ruim não ter uma profissão, não ter um rumo e nenhuma segurança. Deus, como resposta, enviou um anjo na minha vida que pediu aulas particulares de inglês. Mesmo eu dizendo que não sabia o suficiente para ensinar, ela continuou insistindo, até que cedi. Depois de uns meses, fiquei mais ousada e comecei a enviar currículos para escolas de inglês. Isso evoluiu, fiz faculdade de Letras, comecei a dar aulas em escolas regulares muito boas. Como bônus, meu filho pequeno sempre vai e volta do trabalho comigo, além de ganhar bolsa em todas as escolas que dou aula. Deus é tão bom pra mim, nem sei como agradecer… Ele, pela graça, me deu um rumo, organizou minha vida, minhas emoções… Este ano estou estudando um pouco de inglês e apesar de ser fluente e dar aula há 5 anos, vou tirar um certificado internacional de proficiência. É ou não é para a glória de Deus essa história?

Luis:
Eu nasci com 1,100kg e o meu alimento era mingau de farinha de milho com um pouco de água e açúcar. Mas Deus que sabe todas as coisas não permitiu que eu morresse. Na vida adulta, cheguei a pesar 167 kg e fiz redução de estômago há 12 anos. Hoje estou com 61 anos e graças a Deus tenho vigor e saúde.

Jacqueline:
Nossa pequena Louise, assim como nosso filho mais velho Gabriel nasceu com uma doença genética chamada Tirosinemia. Em 2007 nosso filho era o primeiro caso no centro oeste e seu diagnóstico foi tardio. Quando a doença foi diagnosticada ele já estava com o fígado bastante prejudicado, possuía vários nódulos, cirrose, aumento do baço e seus rins eram maiores que o rim de um adulto. Ele foi encaminhado de Cuiabá para São Paulo, no Hospital Sírio Libanês. Já com o diagnóstico de tirosinemia e indicação de transplante. Com 1 ano e 5meses ele foi transplantado, tendo como doador o próprio papai Daniel. Foram dias difíceis, mas a graças a Deus superados com vitória. Hoje ele está com quase 10 anos e possui vida ativa, normal e saudável, graças a Deus! Quando nossa filha nasceu tínhamos 75% de chance que ela nascesse saudável. Mas prevaleceu os 25%. Desde os três meses de idade Louise toma uma medicação e um leite especial, ambos importados e de alto custo fornecidos pelo estado. Cada caixa da medicação custa em média R$36.000,00 reais e cada lata de leite custa em média R$1.740,00. Sempre retiramos ambos pelo estado, que há alguns meses deixou de fornecer. Entramos via judicial para conseguir desde o início do mês de agosto e desse tempo para cá fomos reduzindo a quantidade da medicação e também do leite para ela não ficar sem. Porém, no dia 09 de outubro ela começou a ter vômitos constantes que não cessavam. Ela começou a rejeitar comida, água, seu leite, pois tudo que ela ingeria, voltava. Mesmo internada seu quadro só piorava. No dia das crianças, a doutora que faz o acompanhamento de Louise em Porto Alegre, disse que ela poderia ter uma convulsão a qualquer momento e se isso acontecesse, poderia ter sequelas irreversíveis. E naquela madrugada ela convulsionou. Eu estava dormindo ao seu lado quando senti um chute, olhei e ela já estava com rigidez nos membros. Levantei Louise e ofereci sua vida ao Senhor, mesmo com ela tendo a convulsão em meus braços, disse a Deus que eu tinha certeza de que não era aquilo que o Senhor tinha reservado para ela “A história não acaba aqui Senhor! Ela é Tua antes de ser minha filha, mas em Teu nome ela ficará perfeita novamente”. Às duas da manhã meus pais e nossos pastores Bruno e Karina estavam lá no hospital conosco. Em oração esperamos o efeito da medicação passar e aos poucos ela foi voltando a si e reconhecendo a todos. Um casal de pais de Cuiabá, que tem o filho com o mesmo diagnóstico, cedeu uma caixa da medicação e ela começou a tomar novamente. Porém os vômitos e os exames alterados continuavam. Ela parou de fazer xixi e cocô e mesmo internada ela não melhorava, teve infecção de urina altíssima onde o “normal” é de até 8.000 e a dela chegou a 330.000 ocasionada pelas toxinas que seu fígado produziu. O nível de sódio em seu sangue chegou a 98mEq/l e seu potássio à 2, 0mEq/l. Foi quando conseguimos contato com a doutora de nosso filho em São Paulo e ela disse que nunca havia visto um exame tão baixo e procurava explicação para Louise ainda estar viva. O caso era de UTI urgente. Com a ajuda de amigos, da Igreja em oração e do apoio da família fomos para Cuiabá em UTI aérea. Em todo tempo sabia que o Senhor estava a frente cuidando de Louise. O Senhor tinha promessas para toda nossa família e ela estava inclusa nelas. Com os irmãos em oração na Igreja, o Senhor colocou a palavra de Lázaro e o propósito Dele para tudo o que estava acontecendo, para que aquela morte gerasse vida e para que a Glória do Senhor fosse manifesta! Fomos para Cuiabá no dia 14 e chegando lá o médico que a recebeu disse que os resultados de exames dela comparados aos livros de pediatria, não eram compatíveis com vida. Era pra ela estar morta. O chão sumiu por várias vezes. Mas o Senhor nos dava confiança e a certeza da vitória. Nossos pais, família e igreja ficaram unidos num relógio de oração e ficavam de tempo em tempo orando por ela. Podíamos sentir a força do Senhor sustentando a nós e à nossa guerreira. No dia 18/10 ela começou a regredir não sustentando mais suas perninhas, cabeça e perdendo os movimentos das mãos. Naquele dia cantei para ela. Ela ama cantar e orar. Pedi para que cantasse comigo e ela não quis, pedi que falasse com Jesus: “me cure Jesus…” e ela não quis… Louise estava se rendendo…
A doutora que estava de plantão, disse: “o caso de sua filha é só em Deus, peça a Ele”. Naquela noite de domingo meu esposo tinha ido ao culto e chegou ao quarto ajoelhando, declarando, consagrando nossa filha a Deus: “Seremos luz! Somos luz! A Louise é luz! Vamos voltar para casa com nossa filha curada!”. Naquela noite a pior angústia de toda minha vida tomava conta de todo meu corpo. Sentia como que perdendo nossa filha. Meu celular ficava o dia todo tocando hinos e louvores. Aliás, experiência única adorar ao Senhor em meio a dor. Coração, alma e espírito totalmente entregues a Ele. Ao ungir a Louise, começou a tocar o hino “Entrega” da Heloísa Rosa. Naquele momento senti em meu coração que deveria entregar minha filha ao Senhor. Assim como Abraão fez com Isaque. E com meu coração, entreguei Louise ao Senhor, reconhecendo que só Ele poderia trazê-la novamente. Não era o hospital melhor, médico melhor, nada, só o Senhor poderia fazer o milagre em Louise. Na manhã seguinte, fomos transferidas para o Hospital Julio Miller e ela começou a melhorar nitidamente. Comeu sozinha, com dificuldade, mas muito persistente. Já sentava por um tempo. E na quarta feira, dia 21/10, recebeu alta para casa, com seus exames normais, sem infecção, sem vômitos. Louise chegou em casa sem falar praticamente nada e sem andar, mas para a glória do Senhor hoje ela está andando, correndo, falando de tudo novamente, voltou a sua rotina normal.
Tudo isso para honra, glória do Senhor. Não temas, crê somente! O poder de Deus é real. Eu vivi isso com meus filhos, com minha vida, com meu casamento. Você pode e VAI ver suas bênçãos também; mas procure ao Senhor pelo que Ele é e não pelo que Ele pode te oferecer.

Jacymara:
Em 2008 parei de tomar remédios contraceptivos pois queria engravidar. Eu e meu marido esperamos 11 anos, a gravidez era muito desejada. Em outubro do mesmo ano começou a me dar uma dor muito forte no braço e se espalhou pelo corpo todo, fiquei vários dias de cama, com corpo e articulações vermelhas, doloridas, muito inchadas, não podia nem ir ao banheiro. Para sentar e levantar era um sacrifício. De repente apareciam uns caroços sob a pele, do nada, sentia muita coceira, procurei vários médicos até descobrir o que era: artrite reumatóide, uma doença autoimune, sem cura, mas com tratamento poderia levar uma vida normal, aparentemente. Meu desejo de ter um bebê parecia  mais longe ainda. Tomava altas doses de corticoides em comprimidos e injeções, para passar aquela dor insuportável. Sofri com os remédios do tratamento, sentia tontura, mal estar, fortes dores no estômago e ainda levaria 01 mês para começar a fazer efeito. Sempre fui ativa, praticava esportes e agora com a doença, seria impossível. Os meses foram passando, eu sempre com fé que Deus me ajudaria, as dores foram amenizando, o desejo de ter um bebê enchia meu coração de fé e esperança, jamais desisti. Mesmo sabendo de minha real situação e tomando medicamentos fortes, pesquisava na internet e tudo que lia era que se eu engravidasse, os remédios poderiam afetar o bebê. Corria o risco de nascer cego, pois a hidroxicloroquina fica retida e se acumula no organismo, principalmente na retina dos olhos. Enfim, o bebê teria uma série de complicações. O médico já havia me pedido para tomar um remédio ainda mais forte, que levaria uns 6 meses no mínimo para desintoxicar meu organismo, mas ele não sabia do meu sonho de ter um filho e apesar de meu estado, não tomei. Até que em uma consulta, confessei a ele o meu desejo. O médico disse que muitas pacientes dele engravidaram tomando hidroxicloroquina e os bebês nasceram perfeitos e me perguntou se eu estava tomando aquele outro medicamento que havia me receitado, se eu estivesse não poderia engravidar. Dei um aleluia dentro de mim, meu sonho estava tão perto…
Mesmo sentindo algumas dores fui adiante e na primeira tentativa, engravidei. Milena foi concebida entre os dias 11 e 13 de junho de 2009. Mas mal sabia eu o que estaria por vir…
Estávamos muito felizes, meu esposo e eu. Estava cheia de planos, iria fazer execícios, me alimentar bem, fazer o culto todos os dias pra Milena ir se acostumando já dentro da barriga, etc… mas na sexta semana de gravidez comecei a sentir uma tristeza profunda.
No começo pensei ser hormonal, mulheres grávidas ficam mais sensíveis, mas não era isso, entrei em depressão. Muitas vezes entrei em estado vegetativo, não comia, não tinha vontade de fazer nada, ficava deitada, sem forças, não reconhecia minha própria casa, emagreci 7 quilos, tudo o que ingeria vomitava. Não sentia mais alegria por estar esperando meu bebê, no começo nem queria ver as roupinhas, não tinha nenhum interesse. Tinha crises de ansiedade, ficava tremendo muito, paralisada na cama. Fiz psicanálise, tomei medicamento. Mesmo sem forças lia a Bíblia. Teve um livro que me ajudou muito, chamado “Caminho a Cristo – Esperança para Viver”. Um dia quando estava muito mal e chorando, ouvi uma voz bem baixa, mas confiante, que eu iria sair daquela situação. Era o Espírito Santo me confortando. Aos pouquinhos fui melhorando, mesmo na minha tristeza profunda e debilitada, acreditei que logo sairia daquilo. Nunca rejeitei minha filha, nem a culpei por tudo de ruim que passei. Foi ela quem me deu forças pra prosseguir. Graças a Deus venci a depressão, tudo apontava para que eu tivesse uma depressão pós parto, minha psiquiatra esteve comigo todo tempo, até no hospital, mas quando Milena nasceu me enchi de forças. A felicidade de tê-la comigo fez eu melhorar ainda mais. Mesmo com muitas dores nas mão e nos pulsos por causa da artrite, eu dava banho nela todos os dias, a amamentava, passava noites sem dormir, trocava roupinha, sentia muitas dores, mas pra mim era a melhor coisa vencer a Artrite e a depressão por causa dela. Deus fez estes milagres na minha vida, mas ainda tem mais um…
Milena ao nascer fez o teste do pezinho e o mesmo acusou Fibrose cística, uma doença gravíssima em que a criança sobrevive no máximo 12 anos de idade, atinge todo sistema digestivo e respiratório. A criança passa mais no hospital do que em casa, respira por um tubo de oxigênio. Foi terrível, muito triste o que passamos. A igreja toda nos ajudou em oração. A pediatra mandou repetir de novo o exame e deu pior ainda o resultado, então tivemos que ir a Porto alegre fazer um novo exame, teste do suor, para confirmar a doença.
Graças a Deus o resultado foi negativo. A pediatra não acreditou. Não entendia como podia ter dado negativo. Pediu para repetir o exame em Porto Alegre depois de dois meses e graças a Deus, deu negativo de novo. Milena já está com 6 anos e nunca apresentou os sintomas da doença, para a Glória de Deus.

É ou não é de se emocionar?!

Como podemos observar, todas essas histórias têm em comum o agir de Deus mediante a fé dos nossos personagens reais. Com eles aprendemos que nos momentos mais difíceis e complicados de nossas vidas, nas tribulações e nas adversidades, devemos depositar nossa confiança Naquele que TUDO pode. Para Deus não existe o impossível.

Muitas pessoas por falta de conhecimento e fé, buscam consolo, alívio e escape em drogas, bebidas, festas e até mesmo em seres humanos. Todas essas coisas podem até trazer um “conforto” momentâneo, mas só em Deus encontramos a verdadeira paz, a verdadeira cura para o corpo e para a alma.

E terás confiança, porque haverá esperança; olharás em volta e repousarás seguro.
(Jó 11:18)

Jesus, quando veio à Terra, operou diversos milagres. Curou enfermos, cegos, surdos, mudos, paralíticos. Transformou água em vinho. Multiplicou alimentos. Andou sobre as águas. Ressuscitou mortos e etc. Deus, através de seus seguidores, também operou milagres, como no caso de Moisés que abriu o Mar Vermelho. Através de uma oração de Josué, o Senhor parou o Sol. Fez cair maná dos céus. Enfim, a Bíblia nos conta uma infinidade de maravilhas operadas por nosso Criador.

E hoje? Será que Deus ainda opera milagres?

A resposta é SIM. Ele está o tempo todo atento às nossas orações. “Os sacrifícios para Deus são o espírito quebrantado; a um coração quebrantado e contrito não desprezarás, ó Deus”. (Salmos 51:17). O Senhor também usa pastores, consagrados ou qualquer pessoa que Ele queira para operar o milagre em nossas vidas. Como aprendemos nas histórias contadas acima, devemos entregar nossa vida a Deus e o mais Ele fará.

Está enfermo fisicamente ou espiritualmente? Precisa de uma bênção que aos olhos dos homens é impossível? Crê somente no Deus do impossível, no Médico dos médicos. Veja o milagre acontecer e seja testemunha do que Ele pode fazer. Espero que todas essas histórias tenham aumentado a sua fé e a sua confiança no Senhor.

E esta é a confiança que temos nele, que, se pedirmos alguma coisa, segundo a sua vontade, ele nos ouve. (1 João 5:14)

Quero aqui deixar um agradecimento especial a todos aqueles que contribuíram com suas histórias. Que o nome de Jesus continue sendo glorificado através da vida de vocês.

Fiquem na paz!       ❤

____________________________
Agda Marianne

Anúncios

5 comentários sobre “Aprendi com (E)les| Histórias reais sobre MILAGRE

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s